Tema vem sendo debatido por membros da cadeia de refrigeração e climatização, representada por diversas entidades regionais e nacionais, entre elas a ASBRAV – Associação Sul Brasileira de Refrigeração, Ar-Condicionado, Aquecimento e Ventilação.

Um movimento de empresários do setor de climatização e refrigeração quer conscientizar para a importância do estabelecimento de medidas preventivas que precisam ser adotadas, agora, para preparação do retorno às atividades comerciais. O tema vem sendo alvo de debates no Conselho Nacional de Climatização e Refrigeração, do qual a ASBRAV participa.

“Já é comprovado que o controle de qualidade do ar interior é um aliado indispensável na prevenção de doenças respiratórias e a intenção é que o retorno futuro das pessoas aos seus ambientes de trabalho, escritórios e instituições dê-se da maneira mais segura possível”, explica o vice-presidente da ASBRAV – Associação Sul Brasileira de Refrigeração, Ar-Condicionado, Aquecimento e Ventilação, Mário Alexandre Möller Ferreira.

De acordo com o IBGE, o Brasil tem aproximadamente 8,3 milhões de empresas, dos quais estima-se que mais de 50% utilizam climatização mecânica. A proposição seria viabilizar recursos para implementação de melhorias nos sistemas de climatização visando a qualidade do ar com efeitos para menor propagação de contaminantes em aproximadamente 80 mil estabelecimentos comerciais (com foco em micro e pequenas empresas).

“É fundamental que se aproveite esse momento para que sejam corrigidos erros existentes na condição do tratamento da qualidade do ar interior em muitos estabelecimentos. A intenção é promover melhorias nas instalações existentes, bem como implementar onde não havia essa preocupação”, afirma o diretor da ASBRAV, Sérgio Helfensteller.

A captação de recursos para isso, vem sendo reivindicada junto ao BNDES através de liberação de verbas ou empréstimos com juros reduzidos para serem repassados às empresas.