A higienização em sistemas de climatização e o monitoramento da qualidade do ar interior tem resultados positivos na redução do absenteísmo e no aumento da produtividade.
Vários gêneros fúngicos são encontrados agregados à poeira e circulando no ar, desempenhando um papel importante nas doenças respiratórias alérgicas e oportunistas do homem e como deteriorantes de diversos materiais.
Algumas manifestações clínicas têm sido caracterizadas por fungos presentes no ar, como rinite, asma alérgica, alveolite alérgica extrínseca, sinusite alérgica não invasiva e micoses pulmonares. Assim sendo, é imprescindível o controle dos ambientes climatizados, com o objetivo de prevenir doenças respiratórias causadas por estes microrganismos.
Além destas manifestações clínicas, são indicadores de má qualidade do ar interior de ambientes climatizados, os seguintes sintomas:
• dores de cabeça;
• resfriados constantes;
• congestionamento das vias aéreas respiratórias;
• irritação nos olhos e na garganta.
Resumindo, a boa qualidade do ar interior proporciona um aumento da produtividade, redução do absenteísmo e dos despesas  médicas.