Entrevista: Luana Carregari, diretora do Congresso Latino-Americano de Steel Frame

 Uma das primeiras imagens que correram o mundo após o início da pandemia do coronavírus, veio da construção de um hospital na China, erguido em poucos dias. A edificação foi construída em 10 dias na cidade de Wuhan, onde começou a propagação do vírus. Com mil leitos o Hospital de Huoshenshan tem 25 mil metros quadrados. Como isso foi possível de forma tão rápida? A Revista ASBRAV conversou com a diretora do Congresso Latino-Americano de Steel Frame, Luana Carregari.

Revista ASBRAV – Qual o diferencial do Steel Frame e o que o torna tão rápido para o processo construtivo, como o exemplo visto mundialmente do hospital na China?

Luana Carregari – O Light Steel Framing é um sistema construtivo totalmente industrializado e permite a racionalização. Pode ser empregado em diferentes tipos de edificações além das residências, como construções aeroportuárias, estádios esportivos, hotéis, edificações industriais e habitações de interesse social. Já tem sido utilizada no Brasil em Unidades de Pronto Atendimento (UPAS) e Unidades Básicas de Saúde (UBS). O produto final traz uma edificação com conforto, durável, econômica e segura, além de ser uma construção muito mais rápida e limpa do que o método convencional.

Por ser industrializado e os projetos arquitetônicos e de engenharia serem desenvolvidos de forma racionalizada o tempo de execução de uma obra como se viu no caso do Hospital de Emergência de Wuhan, é muito rápido.

Revista ASBRAV – De que maneira a metodologia pode ser aplicada no Brasil, diante do cenário atual, considerando as limitações existentes no nosso país?

Luana Carregari – No Brasil, o Steel frame cresce e, hoje, representa uma alternativa para o setor. É importante observar que vem abrindo o caminho para outros sistemas industrializados mudando o cenário da construção civil com novas soluções e oportunidades.

Neste momento , em que vivemos a pandemia os sistemas industrializados apresentam soluções que atendem eficientemente a necessidade de obras rápidas. Em São Paulo , empresas parceiras viabilizam a construção de 100 novos leitos para pacientes com suspeita de infecção pelo coronavírus, utilizando o wood frame. Serão construídos, em 20 dias, 100 leitos no Hospital Municipal M’Boi Mirim. Esses espaços somam-se aos dois mil leitos dos dois hospitais de campanha (Anhembi e Pacaembu). O hospital será construído a partir de técnica de construção modular, com uso previsto para 20 anos, criada pela Brasil ao Cubo, uma Construtech Brasileira. Essa técnica permite entregar obras em caráter definitivo e com velocidade que já que é quatro vezes mais rápida do que uma construção comum. Essa técnica parte da junção de módulos individuais, produzidos em uma fábrica e, então, montados como “peças de jogo” no local.

Anualmente, profissionais e empresas que atuam no segmento reúnem-se no nosso Congresso Latino-Americano Steel Frame & Sistemas Construtivos Industrializados. A edição desse ano ocorrerá em São Paulo, mas está ainda com data a ser definida de acordo com as orientações das autoridades de saúde no país, para controle da epidemia. É uma oportunidade importante de trocar conhecimento e gerar oportunidades de negócios.