Energia sustentável, edificações sustentáveis, segurança alimentar, filtros de ar e biossegurança tiveram espaço no 9º Congresso Internacional de Ar Condicionado, Refrigeração, Aquecimento e Ventilação

O cuidado com o meio ambiente e com a saúde da população é a preocupação que deu o tom ao segundo dia do Mercofrio 2014 – 9º Congresso Internacional de Ar Condicionado, Refrigeração, Aquecimento e Ventilação, na terça-feira (26/08). O evento, que ocorre até dia 27 de agosto na FIERGS, é organizado pela Associação Sul Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Aquecimento e Ventilação (ASBRAV).
Na abertura oficial o mestre de cerimônia, engenheiro Carlos Trombini, demonstrou a preocupação do setor com a saúde das pessoas e não somente com a construção e instalação de sistemas de refrigeração e ar condicionado.
– Sem água e comida conseguimos viver um pouco, mas sem ar não conseguimos durante muito tempo – conta.
A manhã do segundo dia teve a entrega do Prêmio ANPRAC para o melhor trabalho apresentado durante o primeiro dia da 9ª Mercofrio. A prêmio foi entregue à Geraldo Souza Pithon Pinto, João Manuel Dias Pimenta, Márcia Bocacio Birck e Cláudia Naves David Amorim pelo trabalho “Proposta de edifício experimental com balanço energético nulo”.
Na busca pelo aprimoramento do conhecimento técnico a manhã foi marcada por duas palestras da consultora técnica da ASHRAE, a americana Sheila Hayler. As palestras trouxeram o tema de “sistemas integrados de energias renováveis nas edificações” e “consumo zero de energia líquida”. A consultora relatou que o Brasil está entrando na energia sustentável através das hidrelétricas e biomassa. Apesar disto, o Brasil ainda é o oitavo país maior consumidor de energia elétrica no mundo.
– O sistema integrado de energia renovável mistura a energia vinda da usina central com sistemas sustentáveis presentes na edificação como paineis solares. Nosso setor é muito importante, pois devemos pensar no uso deste sistema na hora de projetar o sistema da edificação – explica.
A consultora técnica da ASHRAE explica que o projeto deve vir desde a construção da edificação pensando na orientação do prédio, design robusto que deve ter luz natural, ventilação natural e, aí sim, no projeto de energia e climatização.
A última palestra da manhã foi do diretor de ensino da ASBRAV, Prof. Dr. Paulo Otto Beyer, que apresentou projeto de simulação de um escritório e uma casa com consumo zero de energia líquida. Entre os elementos simulados estiveram janelas, telhado, paredes, forros e piso.
– Para análise das estruturas utilizamos a recomendação da ASHRAE que prevê que a edificação deva entregar somente 300 horas de desconforto por ano – afirma.
No período da tarde, o professor da faculdade de Engenharia de Alimentos da Unicamp, Lincoln Camargo, falou da importância da segurança alimentar na cadeia do Frio, refrigeração alimentar e também na refrigeração de fármacos. O especialista apresentou cases de má conservação e transporte de alimentos e cálculos que devem ser feitos para a segurança dos consumidores.
– Doenças por contaminação podem levar a morte de crianças, idosos e pessoas com má nutrição Outro exemplo é a insulina que deve ser guardada entre 2ºC e 8ºC, mas muitas farmácias guardam em refrigeradores comuns que tem muita variância que podem fazer com que a insulina perca propriedades – explica.
Para o controle da refrigeração, o consultor de produto da Full Gauge, Anderson Padilha, trouxe para o Mercofrio as novas tendências do mercado no controle de refrigeração. Conforme Padilha, a tecnologia deve ser usada ao nosso favor para a melhora e controle de ambientes.
– Entre 2012 e 2018, o mercado de refrigeração comercial deve aumentar 60%. Com o desenvolvimento da tecnologia podemos usar softwares de gerenciamento em aplicativos de smartphones para lançar avisos para o responsável sobre o sistema – explica.
O tema de saúde retornou à tarde com o consultor da Sociedade Brasileira de Controle de Contaminação (SBCC), Miguel Ferreirós, tratando sobre eficiência e limpeza do ar. Ferreirós afirma que não é possível conter totalmente os contaminantes que vem de fora, mas é possível filtrar muito com o sistema correto. Além disso, o sistema de filtragem não deve ser pensado somente em deixar limpo o ar interno.
– Temos que criar sistemas de filtragem pensando na pureza do ar interno, mas também temos de pensar no sistema de saída do ar que não leve ao meio ambiente as substâncias que prejudiquem o ar externo – explica.
Para concluir o segundo dia de palestras do 9º Congresso Internacional de Ar Condicionado, Refrigeração, Aquecimento e Ventilação, o pneumologista, Carlos Nunes Tietboehl Filho trouxe à tona o perigo da tuberculose como exemplo de medida de biossegurança para conter infecções. Conforme Tietboehl Filho, o Rio Grande do Sul está acima da média nacional de casos de tuberculose, tendo 50 casos por mil habitantes. Destes, 70% dos casos ocorrem na região metropolitana.
O médico explica que o hospital deve ter um ambiente próprio e com sistemas de climatização específicos para não espalhar a bactéria para outros cômodos do hospital e transmitir a doença.
– Como medidas de biossegurança utilizamos filtro ETA, pressão negativa do ar, tubos de sucção para proteger outros ambientes do hospital – explica.
Os conhecimentos para melhora da qualidade e proteção da vida foi a marca do segundo dia do Mercofrio 2014. O 9º Congresso Internacional de Ar Condicionado, Refrigeração, Aquecimento e Ventilação ocorre até quarta-feira (27/08) na FIERGS, localizada na Avenida Assis Brasil, n° 8787. Outras informações sobre o evento podem ser obtidas através do sitewww.asbrav.org.br.