Tema esteve presente em encontro promovido pelo SENGE  (Sociedade de Engenharia do Rio Grande do Sul) com o apoio da ASBRAV – Associação Sul Brasileira de Refrigeração, Aquecimento e Ventilação

O tema é considerado de saúde pública. Ambientes que não possuem uma correta renovação do ar interior acabam provocando uma série de complicações na saúde da população. O assunto esteve presente em encontro realizado na Sociedade de Engenharia do Rio Grande do Sul (SERGS) na manhã de quinta-feira (19/12) em mais uma edição do seu tradicional evento Bom Dia Engenharia, sempre com foco no debate de temas relacionados com o desenvolvimento econômico e social do Rio Grande do Sul. A Lei Federal 13.589 estabeleceu a obrigatoriedade do PMOC, que sabidamente tem importância direta na qualidade do ar interior.

O diretor da Qualidade do Ar da ASBRAV, Mário Henrique Canale, apresentou detalhes da legislação do Plano de Manutenção, Operação e Controle de Sistemas de Climatização (PMOC), reforçando a relevância que a renovação do ar tem no processo.

– A ventilação é um dos principais itens para melhorar a qualidade do ar interno. O mais importante é que é preciso a ventilação para diluir os contaminantes internos. Isso é saúde pública uma vez que o ar externo altera a umidade, o dióxido de carbono (CO2), odores e outros contaminantes gerados pelos ocupantes. Lembramos que a concentração de poluentes internos depende da intensidade das fontes poluidora e da taxa de poluentes removidos. O CO2 é um fator determinante para sonolência, por exemplo – disse.

Durante sua fala, o diretor da ASBRAV também lembrou a importância das empresas e organizações contarem com um responsável técnico para que toda manutenção seja feita.

– Não adianta apenas fazer a manutenção, mas comprovar e registrar. Ou seja, não é possível deixar de lado esses aspectos administrativos – reforçou.

 

O vice-presidente e diretor do Mercofio, Mário Alexandre Möller Ferreira, salientou que os aparelhos split, consolidados no mercado, não promovem a renovação do ar sendo necessária uma estrutura auxiliar.

– O aparelho split, por si só, não renova o ar. O ar precisa ser injetado ou aspirado em uma janela. O cálculo dessa taxa de renovação leva em conta o número de pessoas, atividades das pessoas e características do ambiente. Por isso a necessidade de renovação de ar em uma academia, por exemplo, é diferente da existente em um escritório – explicou.

O evento foi voltado a participação de engenheiros, instaladores, projetistas, fabricantes, consultores, usuários finais, técnicos e engenheiros do mercado de AVACR (Aquecimento, Ventilação, Ar Condicionado e Refrigeração). Ao final, o grupo também conheceu detalhes da organização para o ano de 2020 do evento “Seminário de Qualidade do Ar”. A iniciativa conta com o a parceria da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha RS (AHK). O convidado, diretor executivo da AHK, Dietmar Sukop, reforçou a importância de levar o tema para debate junto a sociedade.