Revista ASBRAV – Artigo Técnico

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o radônio é um importante problema de saúde pública em todo o mundo. Apesar disso, ainda é um tema muito pouco estudado no Brasil. A Organização Mundial da Saúde classifica o radônio como a segunda principal causa de mortes referentes ao câncer de pulmão. Estima-se que mais de 21 mil pessoas morrem todos os anos devido a exposição crônica a ambientes contendo elevada concentração de gás radônio (somente nos Estados Unidos). Este trabalho apresenta os resultados obtidos para a investigação da concentração de gás radônio em ambientes confinados (climatizados ou não) de imóveis localizados na região metropolitana da cidade de São Paulo. O projeto incluiu a amostragem de ar para 61 ambientes. Todas as amostragens foram realizadas entre os meses de fevereiro e agosto de 2017, totalizando 91 amostras coletadas (incluindo as amostras de controle da qualidade). De acordo com as recomendações da USEPA, a concentração máxima de radônio em um ambiente não deve ultrapassar 4 pCi/L. Neste estudo, 7 dos 61 ambientes investigados apresentaram concentração de radônio maior que 4 pCi/, sugerindo um iminente risco à saúde dos ocupantes desses ambientes. Em outras palavras, 11 % dos ambientes investigados apresentaram resultados não conformes para a concentração de radônio, confirmando a hipótese de que o radônio pode ser um fator de risco à saúde da população dos brasileiros.

Autores:

Robson Petroni – laboratoriofq@conforlab.com.br
Solange C. Lima – solange@conforlab.com.br
Conforlab Engenharia Ambiental Eireli, www.conforlab.com.br

Confira aqui o artigo em sua íntegra

Edição: Marcelo Matusiak

Coordenação: Marcelo Matusiak