Norma Regulamentadora 35 estabelece os requisitos mínimos de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução

O cenário de distanciamento social faz com que muitas pessoas busquem um conforto um pouco maior em suas residências e a procura por equipamentos de climatização nestas edificações, segue com grande procura. O alerta da ASBRAV – Associação Sul Brasileira de Refrigeração, Ar-Condicionado, Aquecimento e Ventilação é para que sempre sejam cumpridas com rigor as medidas de segurança nos casos de apartamentos que são em andares superiores.

A Norma Regulamentadora 35 garante a segurança e a saúde dos trabalhadores envolvidos direta ou indiretamente com trabalhos em altura. Como saber se o trabalho é considerado em altura ou não? A NR 35 responde: toda atividade executada acima de 2 m do nível inferior, onde existe o risco de queda, é considerada trabalho em altura.

Segundo o engenheiro mecânico e conselheiro da ASBRAV – Associação Sul Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Aquecimento e Ventilação, Ricardo Vaz de Souza qualquer trabalho neste enquadramento exige uma série de cuidados para evitar as quedas.

“Não deve-se jamais admitir que o instalador atue pendurado pelo lado de fora da janela ou segurando-se no próprio equipamento que está sendo instalado. Isso é absolutamente irregular e traz riscos. A maioria das pessoas desconhece que ao contratar esse instalador ou empresa passa a ser também responsável por tudo que acontecer. Por isso é importante ficar atento e não ter receio de solicitar que as medidas de segurança sejam de fato adotadas”, explica.

Para edificações que estão sendo construídas uma alternativa importante é a chamada “linha de vida”, que pode ser um pino fixado ou chumbado na parede. Estes elementos permitem que o profissional possa se fixar à estrutura por um cinto de segurança.

“O cliente deve exigir do instalador ou da empresa que ele apresente um atestado de treinamento para trabalho em altura e que apresente o material de segurança próprio para o trabalho que inclui cinto de segurança e luva. Há também de comprovar que as ferramentas possuem uma trava de segurança, que geralmente é semelhante a uma corda que impede que elas caiam durante o manuseio podendo ferir alguém”, completa.

Redação e Coordenação: Marcelo Matusiak