Balanço foi apresentado em evento realizado na sede da ASBRAV

O cenário de retração econômica e queda nas vendas não afetou o segmento de refrigeração, ar condicionado, aquecimento e ventilação. Dados nacionais mostram que o segmento tem tido crescimento pelo menos nos últimos 7 anos e a expectativa para o final de 2014 não é diferente. O setor espera terminar o ano de 2014 com um total de US$ 16,29 bilhões em vendas de ar condicionado, um crescimento de 10% na comparação com 2013. As vendas em 2013 foram estimadas em US$ 14,8 bilhões e para o final de 2014 a estimativa é somar US$ 16,28 bilhões em vendas no setor HVAC-R
Os dados foram apresentados em palestra realizada no final da tarde de quinta-feira (23/10) na sede da Associação Sul Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Aquecimento e Ventilação (ASBRAV), em Porto Alegre. O evento foi realizado em parceria com a Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento (ABRAVA) e ASHRAE.
– Essa é uma reivindicação que vem sendo feita há muitos anos. O segmento que envolve o ar condicionado gera milhares de empregos no país e precisa trazer esses números para mostrar a importância de nosso setor para a economia do país – afirmou o presidente da ASBRAV, Luiz Afonso Dias.
O presidente da ABRAVA, Wadi Tadeu Neaime observou o impactante crescimento nos últimos anos.
– Com ou sem crise no cenário econômico nacional, o segmento de ar condicionado continua crescendo de forma impactante. Nosso setor é formado por várias áreas. Então, quando um não vai bem o outro compensa. Outro fator é a demanda do território brasileiro que é grande e tem temperaturas muito altas. É preciso refrigeração para alimentos, água e remédios. Ao mesmo tempo não se convive mais em ambiente sem ar condicionado porque as temperaturas externas cresceram muito. Há um grande número de casas e edifícios ainda sem ar condicionado – afirmou.
A venda de Split já representa 74% do mercado, o que demonstra o imenso potencial desse tipo de equipamento. O modelo chamado de “Janela”, tem caído em vendas e, hoje, conta com cerca de 14% de participação no mercado.
Na hora da compra do equipamento, a pesquisa mostra que o consumidor considera o fator preço, o mais importante (33%). A qualidade vem em segundo lugar com 20% seguido de Consumo de energia elétrica (13%).
– O dado de consumo de energia elétrica é muito importante porque mostra que o consumidor já está tendo uma preocupação ambiental e a tendência é que no ano que vem esse índice esteja ainda maior – comentou o presidente da ABRAVA, Wadi Tadeu Neaime.
Os segmentos que mais se destacaram foram Shoppings Centers, Setores de bebidas, Varejo, Material para Construção e Indústria Farmacêutica. Na sequência aparecem setor Têxtil, Construção Civil, Cadeia do leite e Cadeia da carne.
Entre 2012 e 2013 a quantidade de domicílios no Brasil cresceu 2,5%, o que significou 1,6 milhões a mais de residências. A estimativa é que 13% das residências possuem ar condicionado.
A preocupação com segurança e cumprimento de normas técnicas na instalação também foi lembrada pelo presidente da ABRAVA. A estimativa é que existam, atualmente, mais de oito mil instaladores de ar condicionado no país.
– As nossas próximas ações pretendem dar cada vez mais acesso e divulgação dos níveis de flamabilidade e pressões de trabalho de cada opção alternativa de refrigerante. Também vamos investir em treinamentos e divulgação de meios para coleta e reciclagem de gases refrigerantes – completou Wadi.
O aquecimento solar ganhou o respeito e interesse de habitações de interesse social atendendo a uma grande camada da população que precisa se beneficiar com a economia de energia. Entre os projetos, o mais conhecido é o Minha Casa minha Vida. A produção de
– A produção de energia solar representa já 1,03% da matriz elétrica nacional, o que parece pouco, mas já pode ser observado um crescimento extraordinário – finalizou Wadi.
O evento contou ainda com palestra do vice presidente da ASHRAE e membro honorário da Associação Italiana de HVAC (AICARR), Bjar Olesen que apresentou orientações e informações para otimizar as condições do ambiente interior para a saúde, conforto e a influência da produtividade das pessoas em escritórios, escolas e outros locais.
Dados do setor
Distribuição de mercado no Brasil
Empresas de Venda de Ar Condicionado 5.614
Empresas de Manutenção de Ar Condicionado 4.940
Projetistas e Instaladores 1.878
Empresas de Aquecimento Solar 1.292
Fatores de Maior Influência para compra
Preço 33%
Qualidade 20%
Consumo de Energia 13%
Recurso Técnico 7%
Impacto Ambiental 4%
Durabilidade 2%
Venda por Tipos de Equipamentos
Split 74%
Ar Condicionado de Janela 14%
Ar Condicionado Central 11%
VRF 1%
Distribuição no mercado residencial
Sudeste 32%
Centro Oeste 21%
Nordeste 19%
Sul 17%
Norte 12%
Fonte: ABRAVA