Assunto foi debatido em palestra promovida pela ASBRAV
A preocupação com o meio ambiente é cada vez mais constante no segmento da climatização. Desde o Protocolo de Montreal, que exigiu a diminuição de emissão de cloro na atmosfera, as empresas estão trabalhando para desenvolver fluidos refrigerantes que possam manter o desempenho dos equipamentos, sem prejudicar a camada de ozônio. Um dos exemplos foi apresentado durante palestra promovida pela ASBRAV – Associação Sul Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Aquecimento e Ventilação na noite de quinta-feira (21/06).

– O fluido refrigerante R427A foi desenvolvido para ser uma opção ecológica para o R22, que só poderá ser usado ate 2030. A partir do ano que vem, haverá redução de 35% na importação do R22. Então, o preço deste produto vai elevar os custos da climatização. Cerca de 90% dos climatizadores ainda utilizam este fluido poluente, que é feito com cloro – explicou o consultor técnico da Arkema, Paulo Napoli.

Uma das preocupações dos empresários é a troca dos fluidos refrigerantes. Entretanto, segundo Napoli, a opção de Retrofit da Arkema realiza a mudança sem transtornos ou elevação de gastos. Ao contrário disso, consegue diminuir os valores da energia elétrica.

– O Retrofit aproveita o equipamento sem modificar o projeto já realizado. Conseguimos modificar o fluido refrigerante sem modificar o produto. Algumas empresas já estão realizando o Retrofit e perceberam redução de 6% na energia elétrica. Quando diminuir a importação do R22, o valor deste produto vai elevar bastante. Assim, o R427A, que hoje tem o mesmo preço do R22, vai se tornar mais econômico – salientou.

A palestra contou com a presença de engenheiros, projetistas, profissionais do setor de instalação e manutenção em climatização e refrigeração, e estudantes das áreas de refrigeração e climatização.