Operação de Retrofit realizada na cidade paulista de Itupeva substituiu o fluido refrigerante HCFC-22, pelo produto ambientalmente aceito ISCEON® MO99

Terceira maior marca de sorvetes do mercado brasileiro, a Jundiá, sediada na cidade paulista de Itupeva, produz e comercializa mais de 80 sabores em picolés, cones e massas. Com mais de 25.000 pontos de venda, reúne milhares de consumidores no país. Essa posição de liderança não ocorre somente no plano comercial: a Jundiá realizou recentemente uma ação de caráter tecnológico alinhada às diretrizes do Protocolo de Montreal.

Esse documento global estabelece metas para a substituição de produtos que possuem ODP ou Potencial de Degradação da Camada de Ozônio, como os fluidos refrigerantes HCFCs (hidroclorofluorcarbonos), por exemplo, que terão sua importação reduzida até a sua erradicação, prevista para ocorrer no Brasil em 2040.

Hoje, esses compostos já estão sendo gradualmente substituídos por fluidos refrigerantes ambientalmente aceitos, principalmente pelos chamados HFCs, que apresentam índice zero de ODP. A operação de substituição é chamada Retrofit*.

Junto à DuPont Fluidos Refrigerantes, líder mundial no desenvolvimento e fornecimento de fluidos refrigerantes, a Jundiá realizou o Retrofit em uma câmara fria e dois compressores integrados ao processo produtivo de sua unidade em Jundiaí. Nesses equipamentos, havia o fluido refrigerante HCFC-22 ou R-22, cuja carga foi substituída no procedimento técnico pelo produto ambientalmente aceito ISCEON® MO99.

De acordo com o mecânico de refrigeração da Sorvetes Jundiá, Thiago Antonelli, a operação de Retrofit foi rápida e fácil, além de diminuir a temperatura de descarga no compressor, que aumenta a vida útil deste, e também diminuir a corrente elétrica do motor, impactando em um menor consumo de energia.

“Utilizamos um fluido refrigerante ambientalmente aceito sem ter gastos elevados com alterações nos equipamentos existentes”, destaca Antonelli.

Antonelli informa ainda que na operação de Retrofit foram retirados 150 quilos de R-22, para dar lugar a 135 kg do produto ISCEON® MO99. Ou seja: uma carga 10% menor do fluido refrigerante ambientalmente aceito ISCEON® MO99. Outro aspecto importante do Retrofit, de acordo com o especialista da Jundiá, foi uma significativa redução na pressão de sucção dos equipamentos, minimizando o desgaste do sistema.

“Com R-22 o equipamento tinha pressão de sucção de 0,80 kgf. Feita a substituição, a pressão de sucção baixou para 0,65 kgf. Essas reduções auxiliam no aumento da vida útil do equipamento”, resume Antonelli.

O fluido refrigerante ISCEON® MO99 é tido por especialistas como substituto ideal do R-22. Além do bom rendimento que comprovadamente proporciona aos equipamentos, apresenta GWP – potencial de aquecimento global – menor em comparação a outros HFCs substitutos do R-22. Seu GWP é 42% menor em relação ao R-404A, por exemplo, produto largamente utilizado na indústria.

ISCEON® MO99 é ainda compatível com os lubrificantes a base de óleo mineral (OM), alquibenzeno (AB) e poliol éster (POE).

Retrofit = Conversão de equipamentos que contêm CFCs ou HCFCs, para operar com fluidos refrigerantes que não degradam a camada de ozônio.