Equipamento deve ser usado respeitando a temperatura corporal do bebê
O primeiro conceito a ser passado aos pais é que o ar condicionado não está proibido se existe um recém-nascido em casa, mas alguns cuidados são fundamentais e tornam-se primordiais. Muitas vezes a preocupação recai, sobre a temperatura. Porém o cuidado não deve se limitar a isso, mas também levar em consideração a umidade relativa do ar. Rinite, sinusite ou asma são temores frequentes entre os pais. De acordo com o engenheiro mecânico e conselheiro da ASBRAV – Associação Sul Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Aquecimento e Ventilação, Ricardo Vaz de Souza, o equipamento é benéfico, pois mantém a umidade relativa do ar na faixa que é considerada ideal para evitar a proliferação de bactérias.

– O indicado é manter a temperatura entre 22°C e 26°C para evitar que o recém-nascido fique com frio ou com calor. A umidade relativa do ar estando em 50%, o que é comum com o ar condicionado, reduz consideravelmente o risco de infestação de bactérias – afirma.

A outra observação é no período inicial, não comparar a sensação de calor ou frio do adulto, pois o bebê possui características individuais. Ainda que sejam adotados os cuidados, o ressecamento é um fenômeno quase inevitável. Da mesma forma como os adultos sentem o nariz ressecado, a criança também estará sujeita a esse fenômeno. Por isso, alguns recursos podem ser usados para impedir a retirada total da umidade do ar como a utilização de um umidificador, bacia com água ou uma toalha molhada no local.

Além disso, o engenheiro alerta que outros sistemas de aquecimento não possuem este benefícios, como os aquecedores, durante o inverno. Por isso, durante o banho o bebê também pode ser aquecido com o ar condicionado.